Da vida na aldeia, parte três

Ponta Delgada, São Miguel - Açores, Julho de 2016.



Não é possível, nunca houve nada de tão extraordinário na visão dos nossos olhos, nem nos mais profundos sentimentos de espírito. Não deve sequer existir termo de comparação entre isto e a arte dos melhores pintores do mundo. Nunca nenhum grande músico captou do mar este som agora enrolado que sobe até à montanha. Nem a luz que ilumina o silêncio do vale. Nem o dobre do sinos na distância escutada lá do alto, ao cima da terra. Nem os sininhos que os anjos agitam no meio das brumas. Nem este frémito de asas das aves que planam no espaço, por cima do abismo.


in Açores de João de Melo (D. Quixote - 2016)