Da vida na aldeia, parte dois



Lagoa do Fogo, São Miguel - Açores, Julho de 2016.


Podia dizer que foi uma decisão pensada e repensada, que analisei bem os prós e os contras, que os planos se alongaram ao longos dos últimos meses e que as expectativas borbulhavam. Mas não, nada disto corresponde à verdade. A decisão de pôr uma mochila às costas e, pela primeira vez, viajar sozinha com a máquina fotográfica em punho foi tomada em cima do joelho. Um dia acordei e pensei: é agora. E foi. Em poucos dias, com três ou quatro destinos em cima da mesa, reservei a minha viagem para cinco ilhas no arquipélago dos Açores: São Miguel, Terceira, Pico, Faial e São Jorge.

Talvez não tenha sido a viagem da minha vida, não foi. Muitas se irão sobrepor a esta, muitas outras irão surgir, talvez num futuro próximo. No entanto, fui capaz de me reencontrar entre o azul e o verde, ainda me sinto a flutuar e, por vezes, ainda me é difícil constatar que sim, voltei. Alguém bem diferente daquela que foi.

2 comentários:

  1. Olá! Também eu tenho o desejo de fazer uma viagem sozinho e precisamente aos Açores. Deve ser um óptimo destino para a primeira "aventura"! Talvez dizer sozinho não seja assim tão correcto, porque com a máquina, acho que me sinto sempre acompanhado.

    E já agora, parabéns pela criação do teu blog!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá! Acredita que os Açores são um excelente destino para uma aventura solitária. Mas sim, nunca te irás sentir sozinho, quem fotografa sabe isso :)

      Obrigada eu, mesmo!

      Eliminar