Da literatura, parte doze

Montedor, José Rentes de Carvalho (Quetzal, 2014)


O primeiro livro de Rentes de Carvalho decorre numa aldeia de Trás-os-Montes numa época em que, durante o Estado Novo, a crença num amanhã promissor, especialmente por parte dos jovens, era remota. Traçando um fiel retrato do Portugal rural da altura, a história deste romance é contada através das vivências de um rapaz que, após o término dos estudos, se vê sem objectivos. Vivendo à sombra dos seus sonhos e das suas mirabolantes fantasias, o presente e o futuro fundem-se, ambos sem esperança. Escrito com uma simplicidade tocante, perante uma população, também ela, descomplicada, o Montedor apela à reflexão. À meditação acerca de uma sociedade à qual, todos nós, pertencemos num passado tão recente. De uma lucidez admirável.