Da literatura, parte dezanove

A nossa existência é uma busca imparável por uma solução, pelo que nos conforta aquilo que nos traz felicidade, afasta todas as coisas más. Alguns percorrem uma estrada longa e sinuosa e talvez não encontrem absolutamente nada, excepto para algum tipo de objectivo, um género de libertação ou alívio na própria busca, os restantes admiram a sua tenacidade mas têm problemas suficientes ao simplesmente existirem, por isso tomam elixires que curam tudo em vez de procurarem, perguntando continuamente qual é o caminho mais curto para a felicidade, e encontram a resposta em Deus, na ciência, na aguardente, no exilir chinês.


in Paraíso e Inferno de Jón Kalman Stefánsson (Cavalo de Ferro, 2013).