Da Literatura, parte vinte e sete

De acordo com Marina Abramović, o contrário do silêncio é o cérebro a trabalhar. A pensar. Se quisermos ter paz, temos de parar de pensar. Não fazer nada. O silêncio é um instrumento que nos ajuda a escapar do mundo que nos rodeia. Se porventura soubermos geri-lo, segundo ela, o silêncio torna-se como «uma cascata dentro do nosso cérebro». Até a electricidade do ar muda quando conseguimos desligar-nos do mundo. Pode durar um período longo de tempo ou apenas uma mera fracção de segundo. O tempo permanece imóvel como tinha descoberto Søren Kierkegaard.


in Silêncio da Era do Ruído de Erling Kagge (Quetzal, 2017)



Sem comentários:

Enviar um comentário