Da vida da aldeia, parte sessenta e sete

Serra da Estrela.


Enquanto namorado, por vezes, anseio pelo silêncio. Gosto de falar e de ouvir, mas, na minha experiência, a verdadeira intimidade só se atinge quando ficamos em silêncio durante algum tempo. Numa relação amorosa, sem a ternura que se segue à paz e à quietude, é difícil sentir as subtilezas e chegar a uma compreensão mútua. A tagarelice e outros ruídos podem tornar-se autênticos mecanismos de defesa para evitar a verdade. Sim, quando tenho nos meus braços tudo aquilo por que anseio, as palavras são supérfluas. Os Depeche Mode já o disseram numa canção:

All I ever wanted,
All I ever needed,
Is here in my arms.


in Silêncio da Era do Ruído de Erling Kagge (Quetzal, 2017)

2 comentários: