Diário, parte quarenta

Jean-Louis Lebris de Kerouac (1922 -1969)


Americano com descendência canadiana, Jack Kerouac, Bill para os amigos, foi percursor, juntamente com William Burroughs e Allen Ginsberg, da Geração Beat, embrião do que viria a ser a geração hippie. Através da literatura, e outras artes, influenciou a cultura de uma geração que fervilhava. Com o seu romance "On the Road", uma auto-biografia onde relata as peripécias e as suas aventuras ao lado de Neal Cassady pela costa dos EUA, além de ter alcançado uma repercussão nacional e internacional para lá do que imaginava, distanciou-se em definitivo dos padrões impostos pelo New Criticism. Apelando à liberdade e à espontaneidade, ainda que com uma educação conservadora e católica, Kerouac irá ceder aos vícios da época juntamente com os seus fiéis companheiros. As drogas e o álcool ditaram o seu fim. Mesmo tendo partido tão cedo, ainda hoje é uma verdadeira inspiração, tendo sido o criador de obras que, para qualquer amante da literatura e da natureza, continuam a servir de influência. Amante da mãe-terra e da filosofia budista, foi um homem que, sob o efeito ou não de estupefacientes, demonstrou ser dotado de uma espiritualidade e sensibilidade singulares. Afinal, quem seria capaz de escrever, se não ele, Big Sur e Os Vagabundos do Dharma?!


I was surprised, as always, by how easy the act of leaving was, and how good it felt. The world was suddenly rich with possibility.