Da literatura, parte tinta e sete

Esta semana, o meu vizinho Rogério, que é continental, descreveu-me assim os Açores: «Um lugar onde nunca se chega e de onde nunca se parte». Quem me dera ter sido eu a escrevê-lo.


in A Vida no Campo de Joel Neto (Marcador, 2016).